COMPARTILHAR

O chefe de gabinete do deputado distrital Iolando (MDB) e ex-administrador regional de Brazlândia, Marcelo Gonçalves da Cunha, foi alvo de operação da Polícia Civil do DF nesta terça-feira, 14, suspeito de negociar um terreno da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap) por R$ 1 milhão. Marcelo também estaria negociando um lote público com uma rede de supermercados, conforme a investigação.

O crime praticado contra a imobiliária teria ocorrido em 2023. O empresário de Brazlândia que adquiriu o terreno localizado em uma área nobre do distrito, foi preso no dia 25 de abril deste ano após colocar água e energia no local. Atualmente ele está em liberdade provisória, segundo a corporação.

Na nova operação, a PCDF cumpriu mandados de busca e apreensão no gabinete de Iolando, no DF. As ordens judiciais também foram cumpridas em Águas Lindas de Goiás. O parlamentar, porém, não é investigado. 

Em nota enviada ao Jornal Opção, o deputado informou que “tomou conhecimento dos fatos por meio da imprensa e que vai tomar as providências necessárias em relação aos fatos”.

Corrupção

Entre o tempo à frente da administração regional e a nomeação na Câmara Distrital (CLDF), em fevereiro deste ano, Marcelo teria se envolvido ainda em crimes de corrupção. A PCDF apurou que em 2022, o então agente público recebeu valores de empresários que forneceram tendas e equipamentos de som e iluminação para três grandes eventos de Brazlândia. 

Os valores pagos foram ocultados ou dissimulados por meio de contas de “laranjas”, que seriam parentes dos investigados, revelando um forte esquema de lavagem de dinheiro. O Jornal Opção tentou contato com a defesa de Marcelo para que se posicionasse, mas não conseguiu localizá-la até a publicação desta reportagem. (Pedro Moura)

PCDF cumpriu mandados no DF e em Goiás | Foto: Divulgação